|

X

 

 

Retoma económica, posição da UE no mundo e direitos dos cidadãos são outros grandes temas

 

Espanha assume a presidência rotativa da União Europeia prometendo dar prioridade à aplicação do Tratado de Lisboa.

O Tratado entrou em vigor em Dezembro, trazendo consigo uma série de mudanças para ajudar a UE a tomar decisões de forma mais eficiente e a desempenhar um papel de destaque a nível internacional. Estas mudanças incluem uma reformulação da presidência rotativa de seis meses a fim de assegurar uma estreita cooperação com as duas novas funções criadas pelo tratado: "Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança". Enquanto o primeiro país a assumir a Presidência ao abrigo do novo Tratado, Espanha tem a oportunidade de estabelecer um rumo a seguir.

Durante os próximos seis meses, Espanha procurará reforçar o papel da UE a nível mundial, trabalhando em estreita colaboração com o Presidente do Conselho Europeu, Herman Von Rampuy, para reforçar a unidade europeia e ajudar a UE a falar a uma só voz.

Espanha irá igualmente participar na criação do serviço dos negócios estrangeiros e do corpo diplomático (ou "serviço de acção externa") presidido pela Alta Representante Catherine Ashton.

O Tratado de Lisboa obriga o país que ocupa a presidência da UE a trabalhar em estreita cooperação com os que irão assumir os dois semestres seguintes, no caso de Espanha, a Bélgica e a Hungria. O resultado prático deste "trio de presidências" é a definição de um programa conjunto para dezoito meses.

Com a taxa de desemprego na UE a atingir 9,3% em 2009 (19,3% em Espanha), a recuperação económica estará em foco na presidência espanhola. A adopção de uma nova estratégia europeia para o crescimento e o emprego e a melhoria da supervisão do sistema financeiro internacional serão igualmente prioritárias. Espanha tenciona ainda dedicar uma atenção especial à igualdade entre homens e mulheres.

A promoção de uma Europa dos cidadãos completa o programa da presidência espanhola, com a aproximação entre a UE e os seus cidadãos graças à possibilidade da apresentação de petições pelos cidadãos introduzida pelo Tratado de Lisboa.

Espanha deseja igualmente fazer progressos nos domínios da segurança energética, das alterações climáticas e da imigração.

 

Mais informações:

Sítio Web da Presidência espanhola da UE