|

X

 

Compreender a Sociedade

As ciências socioeconómicas e as ciências humanas, pela sua natureza, permitem-nos compreender como se organizam e governam as sociedades, como estas evoluem e se transformam. Examinam todos os aspectos da sociedade, proporcionando informação importante sobre temas como o emprego, o crescimento económico, a mobilidade social, a educação, a governação, a cidadania, a exclusão, os conflitos e os direitos humanos.

Investigam, entre outras coisas, as relações entre várias tendências sociais e económicas e mudanças nas sociedades, bem como as suas implicações na economia e bem-estar social. Qual é a realação entre as taxas de natalidade, o envelhecimento das populações e a necessidade de reconciliar a vida privada e profissional? Quais as implicações de uma sociedade em envelhecimento? O ênfase na flexibilidade do emprego exacerbou as desigualdades sociais? Como podem homens e mulheres equilibar as suas vidas privadas e profissionais? POderá a Europa reconciliar o crescimento económico, a coesão social e a diversidade cultural? Até que ponto é que os governos conseguiram reduzir a exclusão? Há provas de racismo institucionalizado? Como pode o público contribuir para os debates legislativos fundamentais, como o debate sobre as reformas? Esta investigação pode ajudar a melhorar a legislação e trazer desenvolvimento social, económico, político e cultural. As ciências sócioeconómicas e as ciências humanas também são importantes para os investigadores e cientistas vindos doutras disciplinas. Dão-lhes uma ferramenta que permite avaliar o impacto social, económico, ambiental e ético do seu trabalho e levar em conta o aumento da preocupação pública face às consequências dos avanços científicos e tecnológicos. As ciências sócioeconómicas e as ciências humanas podem ajudá-los a tomar medidas apropriadas e escolher os instrumentos e tecnologias certos.

Pôr o conhecimento em prática

Os projectos de ciências sócioeconómivas e ciências humanas financiados pela UE produziram já um corpo de conhecimento de grande importância para a legislação sobre muitos assuntos sociais e económicos cruciais na actualidade.

Mas, apesar do valor desta investigação, os cientistas sociais e os académicos das ciências humanas continuam a enfrentar um grande desafio no toca a tornar visível o impacto do seu trabalho. Todos podem ver a importância da ligação entre a investigação e um novo medicamento, por exemplo. Mas o resultado da investigação nas ciências socioeconómicas e humanas é menos óbvio.

Ainda assim, este novo conhecimento tem orientado a legislação sobre a criação de mais empregos de qualidade e o incremento da competitividade das empresas. Tem observado o impacto do envelhecimento da sociedade, como melhorar a qualidade de vida, os papéis em mudança de homens e mulheres, e como enfrentar a pobreza, o racismo e a xenofobia.

Os cientistas sociais e os académicos das humanidades criam conheciemnto. os legisladores podem usar e usam este conhecimento para avaliar as suas políticas actuais e dar forma às futuras.

As tendências na UE e no mundo proporcionam uma estratégia de investigação cada vez mais importante às ciências socioeconómicas e humanas e uma oportunidade cada vez mais abrangente de contribuir para a inovação, bem-estar e decisões sociais melhoradas.

A estratégia europeia

A UE tem financiado directamente investigações nas ciências socioeconómicas e ciências humanas que lidam com os mais prementes desafios sociais na UE desde 1994.

O quarto programa-quadro que decorreu entre 1994 e 1998, introduziu a investigação socioeconómica pela primeira vez. Através do seu programa de investigação socioeconómica orientada, proveu um orçamento de 112 milhões de euros.

Quatro anos mais tarde, o quinto programa-quadro, que decorreu entre 1998 e 2002, intensificou o apoio à investigação socioeconómica. Ao abrigo da acção-chave "Melhorar a base de conhecimentos socioeconómicos" obteve um orçamento de 155 milhões de euros.

o sexto programa-quadro, que decorreu até 2006, com um orçamento de 255 milhões de euros, apoia a investigação nas ciências socioeconómicas e ciências humanas ao abrigo da sua sétima prioridade temática "Os cidadãos e a governação numa sociedade do conhecimento".

As ciências socioeconómicas e humanas no sétimo programa-quadro

"A investigação nas ciências socioeconómicas e ciências humanas" continua a ser um dos temas de investigação no sétimo programa-quadro, a decorrer entre 2007 e 2013.

Centra-se sobre a construção dum melhor entendimento dos desafios sócioeconómicos com que a Europa se defronta, tais como crescimento económico, o emprego e a competitividade, a coesão social e a sustentatabilidade, a qualidade de vida e a interdependência entre as regiões mundiais, os direiros humanos e a cidadania. Será apoiado por um orçamento de 623 milhões de euros.

As actividades das ciências socieconómicas e ciências humanas são implementadas por meios do programa de trabalho.

O programa de trabalho para 2007 pauta-se por oitro actividades que se subdividem em áreas e tópicos. Dá-se particular ênfase às actividades 1 e 2. Dá-se também especial atenção à contribuição dos académicos das humanidades que podem envolver-se em todas as actividades do programa de trabalho.

Actividade 1: Competitividade, crescimento e emprego

A investigação orientada para a resolução de problemas e a relevância legislativa, lidará com a competitividade, o crescimento e eo emprego. Centrar-se-á na internacionalização das actividades inovadoras; globalização das actividades económicas; o impacto das mudanças demográficas; a interacção entre conhecimento, capital humano e a economia; o papel do sector dos serviços e os investimentos intangíveis, bem como o papel crescente da cultura e da criatividade.

Actividade 2: Caminhos para o desenvolvimento sustentável

O Objectivo global da actividade é proporcionar um entendimento e medição significativamente melhorados de como os objectivos económicos, sociais e ambientais do desenvolvimento sustentável podem ser combinados, com êxito, numa perspectiva internacional.

Actividade 3: Grandes tendências na sociedade e suas implicações

A investigação lidará, entre outras coisas, com as causas, efeitos e prov´veis impactos futuros das mudanças demográficas; a natureza mutável do trabalho e da vida privada; o peso crescente do ambiente e da saúde pública; e a evolução de estilos de vida, padrões de consumo, valores e crenças das sociedades contemporâneas.

Actividade 4: A Europa no mundo

A actividade pretende compreender como mudam as interacções e interdependências globais e como estas afectam a economia, a sociedade, as instituições e a segurança na Europa e no resto do mundo.

Actividade 5: O cidadão na União Europeia

A investigação interdisciplinar abordará os diferentes modos através dos quais diversas formas e interpretações de participação democrática e "apropriação", cidadania, diversidades e traços em comum podem vencer problemas e dificuldades emergentes a nível nacional, regional e europeu.

Actividade 6: Indicadores socioeconómicos e científicos

Os projectos ao abrigo desta actividade procurarão melhorar a relevância, qualidade e quantidade de indicadores disponíveis aos legisladores, em conjunto com as técnicas e modelos analíticos usados em apoio de todos os aspectos da legislação, em particular na avaliação dos seus impactos. A política de investigação da UE será considerada neste contexto.

Actividade 7: actividades de previsão

A previsão contribuirá para a análise de mudanças no sistema global de investigação e suas possíveis implicações para a política de investigação europeia. Também proporcionará dados estratégicos úteis à revisão intermédia do sétimo programa-quadro e à preparação do oitavo programa-quadro para a investigação na Europa.

Actividade 8: actividades estratégicas

Esta actividade aborda certas actividades "horizontais" que são necessárias à boa implementação de prioridades temáticas específicas, imprevistas e emergentes, a cooperação interncaional, a disseminação de actividades programáticas e os estudos estratégicos.

Novas abordagens no sétimo Programa-quadro

O programa de trabalho segue o estilo de anteriores programas de trabalho dos programas-quadro precedentes. As actividades são divididas por áreas, que são subdivididas por tópicos, sendo estes as unidades básicas para as propostas de investigação. Contudo, inclui diversas inovações.

Um conjunto de inovações diz respeito à diversidade dos tópicos incluídos no programa de trabalho. Para além dos habituais tópicos de relevo para a legislação, este programa de trabalho inclui tópicos que se centram sobre o impacto socioeconómico das políticas europeias, tais como a "política grícola comum" e a sociedade "pós-carbono", e também prevê um espaço para as propostas de investigação sobre temas emergentes que possam partir das bases. Também proporciona apoio a planos que reúnam programas de investigação de âmbito regional, bem como investigação ligada a importantes ferramentas da legislação como sejam os indicadores, os modelos analíticos e as previsões.

Outra grande inovação lançada neste programa de trabalho é a nova abordagem à cooperação internacional com países fora da Europa. Isto é positivamente encorajado através da inclusão de tópicos onde tal cooperação ofereça vantagens claras à qualidade da investigação. Para mais, as restrições impostas às organizações afectas a páises terceiros de cooperação internacional, cuja lista inclui cerca de 140 países, já não se aplica.

Finalmente este programa de trabalho também lança uma nova abordagem ao envolvimento dos interessados através da orientação do conceirto de "plataformas sociais" no tópico "cidades e coesão social", e a orientação do plano de financiamento "investigação em benefício de grupos específicos" que visa, sobretudo, as organizações da sociedade civil. Este instrumento apoia a contratação de instituições de investigação por parte das organizações da sociedade civil, e pretende fortalecer os laços entre a investigação e a sociedade civil.

Planos de financiamento

O plano de trabalhos 2007 não financiará as redes de excelência. Durante os próximos dois anos, a Comissão procurará avaliar o uso de redes de excelência, concentrando-se mais nos projectos de investigação e planos de financiamento menores para o trabalho em rede. Recorrer-se-á aos seguintes planos:

1. Projectos de invesrtigação colaborativa, que incluem dois tipos de projecto:

a) projectos integrantes de larga escala, com uma contribuição orçamental da UE entre 1,5 milhões e 4 milhões de euros

b) projectos pequenos ou médios com enfoque específico e contribuição orçamental da UE entre 0,5 milhões e 1,5 milhões de euros

2. Acções de coordenação e apoio, que também incluem dois tipos de projectos:

a) acções de coordenação e apoio para coordenar programas ou políticas de investigação. Estas serão desempenhadas por consórcios e concentrarão o seu apoio nas actividades de trabalho em rede;

b) acções de coordenação e apoio que pretendam apoiar programas ou políticas de investigação, que podem ser desempenhadas por organizações individuais e que tendem a ser actividades de menor escala, com enfoque muito específico e papéis importantes na implementação do programa.

3. Investigação em benefício de grupos específicos, tais como as organizações da sociedade civil (OSC):

Este plano de financiamento apoia os projectos de investigação e desenvolvimento tecnológico onde a maior parte da investigação seja desempenhada por agentes de RDT em benefício de grupos específicos, em particular as organizações da sociedade civil e suas redes. As organizações da sociedade civil incluem qualquer tipo de entidade não governamental, não lucrativa, sem interesses comerciais, que procure o interesse público.

TODA A INFORMAÇÃO SOBRE O 7º PROGRAMA-QUADRO DE INVESTIGAÇÃO DISPONÍVEL EM:

http://cordis.europa.eu/fp7/

http://ec.europa.eu/research/social-sciences/